Horizontal List

PM Rui Araujo
Investir no futuro de Timor-Leste
FUTURO
Timor-Leste acolheu a mais recente reunião trilateral da plataforma para o Desenvolvimento Económico Sub-Regional Integrado entre Timor-Leste, Indonésia e Austrália

Ai-han Timor Nian
Ramos-Horta
"Tantangan Timor Leste Makin Berat"
ECONOMIA
"..fo-hanoin ba ukun nain sira nebe tinan tinan truka hela deit ministrus, atu hare ba povu nia moris nebe "kuaze 50%" povu sei moris iha linha pobreza nia laran..."
Australia-Timor Leste
Notre Dame students experience the world and help those in need in Timor-Leste
Empresários - Timor Telecom
Empresários timorenses e fundo das Fiji na corrida pela Timor Telecom
Timor-Leste - BAII
Timor-Leste inicia processo de adesão ao Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas
Timor-Leste - Maluku
Maluku kaji kerja sama dengan Timor Leste

sexta-feira, 23 de maio de 2008

As Reservas Petrolíferas Timorenses são a chave da propriedade e independência do pais

SIM, Petróleo e gás um dos maiores determinantes do futuro económico do país será a forma como utilizar as receitas do petróleo e do gás. Quando Timor Leste votou a favor da independência, e os líderes timorenses renegociaram com a Austrália o tratado de exploração das reservas do “ Mar de Timor ”. Este acordo é muito mais favorável que o anterior, uma vez que Timor Leste reterá agora 90% das receitas fiscais da produção da Área de Desenvolvimento Conjunta de Petróleo. Ao longo das duas décadas posteriores a 2004, espera-se que as receitas do gás e do petróleo. As receitas petrolíferas e os esquemas de poupança de Timor-Leste irão garantir o futuro económico do país.
Manutenção dos esquemas de gestão das receitas petrolíferas Estes esquemas constituem a base para a boa governação das receitas petrolíferas. Poupar para o futuro é importante, já que as reservas petrolíferas não vão durar para sempre. Ao mesmo tempo é necessário um gasto efectivo a partir destas receitas para desenvolver e fazer crescer a economia não petrolífera, prestar serviços e reduzir a pobreza”
Os esquemas de poupança permitem o uso suficiente e sustentável de fundos a cada ano para financiar o orçamento do estado, porém até à data o Governo tem tido dificuldades para gastar o orçamento anual. As receitas petrolíferas de Timor-Leste eram de USD 1.2 mil milhões em 31 de Março de 2007, estando a aumentar na ordem dos USD 100 milhões /mês desde Janeiro de 2007. Embora forneçam recursos para o desenvolvimento do país, as receitas petrolíferas também colocam desafios económicos e à governação. A experiência internacional mostra que os países ricos em recursos naturais registam muitas vezes mais desperdício e corrupção do que outros países. A fim de evitar esta “maldição dos recursos”, Timor-Leste adoptou esquemas para a boa gestão das riquezas petrolíferas, em benefício das gerações actuais e futuras.

Fonte:Resumo Relatório de Banco Mundial.

sábado, 17 de maio de 2008

DEBATE SEMANAL DE LORON-ECONOMICO

No âmbito do debate semanal, o Loron-Economico (LE) apresenta o seguinte tema relacionado com “As Reservas Petrolíferas Timorenses são a chave da propriedade e independência do pais”, sendo o tema escolhido e pergunta de partida. Este tema está aberto ao público e interessados, solicitando a maior participação esclusiva dos economistas em geral e timorenses em especial. O LE deseja igualmente a colabaoração dos economistas portugueses, africanos (PALOPs) e brasileiros. Permitindo os textos ecritos em quatro linguas, Português, Tetum, Inglês e Bahasa Indonésia . Os artigos devem ser enviados para o senguinte endereço electronico: loron.economico@gmail.com. Sem mais assunto a tratar agradeço antecipadamente pela colaboração disponibilizada e os melhores cumprimentos.

Coimbra, 13 de Maio de 2008

Director do blog LE
Lino Belmiro Freitas

quinta-feira, 15 de maio de 2008

FMI: Económia de Timor

Timor-Leste.
Remains highly vulnerable to external and domestic shocks. Staff project growth of slightly
below 5 percent over the medium-term, well below potential or the 7-8 percent needed to address high levels of poverty and unemployment. The recent improvement of the security conditions could boost some recovery in private sector activity throughout 2008. Rising food and fuel prices increased inflation pressures during 2007. Annual inflation rose to 8.6 percent
in 2007, more than double the average inflation rate in 2006, boosted by higher food and fuel
prices. Although the banking system is sound, comprising only of branches of large foreign
banks the low loan quality continues to hamper the provision of new credit. The 2008 budget maintains the generally sound policy framework. Total expenditure is broadly unchanged and in line with the sustainable use of petroleum revenue. The new government has placed greater emphasis on meeting short-term needs with public transfers directed at, among others, refugees, veterans, and the elderly. However, weak administrative capacity continues to lead to poor budget execution. The offshore hydrocarbon sector has not been affected by the recent unrest and, therefore, Large oil/gas revenues continue to accrue. A robust and highly transparent framework for managing petroleum revenues is in place, including a petroleum fund. The Greater Sunrise oil/gas field (long-term revenue potential of about $10 billion) could commence production by 2014, although serious questions still remain about the project’s financial viability, and the feasibility of the government’s proposals for a refinery in Timor-Leste.

Fonte: FMI, mês de Abril de 2008

sexta-feira, 9 de maio de 2008

Rice: Timor's next crisis


The rising cost of rice in East Timor is not just a reflection of the worldwide shortage, but also of corruption and mismanagement in Dili, writes Loro Horta for ISN Security Watch.

Commentary by Loro Horta in Dili for ISN Security Watch (06/05/08)

Soaring rice prices in Asia are beginning to have an effect on the livelihoods of millions of people; even the wealthier and stable nations of the region are bracing themselves for the consequences. For East Timor, the most impoverished and one of the most unstable countries in the region, the effects of the rice crisis could be devastating.
East Timor (Timor Leste) relies on imports for nearly 60 percent of its rice needs and is therefore highly vulnerable to the slightest disruption in international food markets. The country relies heavily on imports from Thailand, Vietnam and China - countries that are now imposing export restrictions in order to cope with their own domestic consumption problems.
If East Timor is deprived of access to foreign markets the situation may be catastrophic, with widespread famine and violence likely to reach explosive portions even for a nation that is no stranger to suffering and violence.
Incompetence and irresponsibility on the part of the Dili government have increased the country's vulnerability to the volatility of international markets.
In order to maintain its fragile coalition's hold on power, Prime Minister Xanana Gusmao has decided to distribute 35 kilograms of rice every month to the country's 3,700 military and police personnel and its 17,000 public servants, while offering free daily meals to government servants and members of parliament. Significant amounts of these rice handouts have been coming from the national rice emergency stock, which is now at an all-time low.
East Timor's average annual rice consumption is between 90,000-100,000 tonnes, while the national rice stock currently stands at a just over three tonnes - less than half the desired safety level of 8,000 tonnes and just enough to feed the country for a month.
In case of an emergency, the country's poor roads and port facilities are likely to make import and distribution extremely difficult and further exacerbate shortages, putting the most remote regions at great risk.
The government rice subsidies and free distribution have in turn discouraged local business from importing the stable crop, adding another dangerous variable to the equation.
Signs of rice hording and price manipulation are already evident. In February, a 35-kilogram bag of rice sold for US$13. By April, the price had risen to US$20. In the rural areas, high transport costs resulting from the country's dismal roads has led prices there to reach US$27 per 35-kilogram bag of rice.
In a country where the minimum monthly wage is US$85 and 80 percent of the people are unemployed, the spike in rice prices could have serious humanitarian and security consequences. This raises the question: What will happen if the government is suddenly unable to provide the people - not the mention the security forces and their families - with rice?
While Dili claims that it has enough supply for a month, an official from the Ministry of Agriculture and Fisheries told ISN Security Watch that the actual amount may be substantially lower due to corruption.
There are numerous reports of minor government employees stealing rice from the emergency stock to sell on the black market or to feed their own families.
The presence of an estimated 100,000, internally displaced people (IDP) in the capital can only complicate matters. To this day, the government has not been able to provide an exact figure on the number of IDPs, speculating that it may be anywhere from 70,000 to 100,000.
More worrisome is the attribution of rice import monopolies to well-connected people, such as, in one instance, the wife of a government minister who now directs all rice imports into the country.
In order to address the problem, the country's leaders are now considering the possibility of using the fundo do petroleo (oil fund) of over US$2 billion, deposited in an American bank, to deal with the rice crisis. The oil fund was created to save money for future generations of Timorese to prevent squandering.
While using money from the oil fund may provide temporary relief, it will not address the root causes of the problem and may set a bad precedent by leading to further use of the fund money to address similar issues.
Timor's food problem, though it has its global causes as well, is also a reflection of deeper structural problems such as endemic corruption, political infighting and negligence.
Creating a better and more effective food distribution system and responsibly managing the emergency stock may be far more effective than handouts and resorting to the oil fund. Urgent investment in the agriculture sector is needed to provide the country with minimum levels of food security. If not urgently addressed, the current rice crisis will have serious consequences for a nation already marked by violence and abject poverty.
In 2007, during the serious rice shortages in the capital Dili, there were various cases in which people attacked each other for rice. There is no reason to think the same will not happen again.
Walking through one of Dili's markets I asked a Timorese vendor what he would do to feed his family if the country were to run out of rice. "Whatever it takes," he replied.

quarta-feira, 7 de maio de 2008

Statement of an IMF Staff Mission at the Conclusion of the 2008 Article IV Discussions with Timor-Leste

Press Release No. 08/95
April 30, 2008
--------------------------
An International Monetary Fund (IMF) mission led by Ms. Susan Creane, Deputy Division Chief in the Asia and Pacific Department, visited Dili, Timor-Leste, during April 16-30, 2008, to conduct the annual Article IV consultation discussions. The mission met with the Minister of Finance, the Head of the Banking and Payments Agency (BPA) and other senior officials from the government and BPA, and representatives from the private sector and civil society to discuss recent economic developments and the medium-term economic outlook.
The mission issued the following statement in Dili:

"The domestic security situation has undermined the macroeconomy, while oil/gas revenues have continued to rise. Following negative growth in 2006, the peak year for the recent civil unrest, non-oil growth rebounded in 2007, driven mainly by government and donor spending. Private activity was subdued by the security situation and a drought affecting agriculture. Inflation climbed to almost 9 percent in 2007, more than double the average in 2006, mainly reflecting higher global food prices. Timor-Leste's external competitiveness has remained broadly unchanged since early 2006, as reflected in the stable real effective exchange rate.

"The discussions considered the policies needed to manage the rapidly growing oil/gas revenue to alleviate immediate social and security problems, and at the same time, develop a strong non-oil economy while maintaining low inflation. The mission appreciates the need for the new government to address the short-term priorities, including food security. These can be achieved within the existing sustainable spending level, given weak administrative capacity and other constraints. Budgets should also be consistent with both administrative implementation capacity and the ability of the economy to absorb additional spending, in order to avoid waste and inflation. The mission believes that Timor-Leste continues to be well served by the long-term saving policy supported by the Petroleum Fund, which has the flexibility to meet exceptional needs.

"The most pressing challenge facing the new government is improving budget execution, especially of investment spending. In that light, the mission is encouraged by proposals aimed at easing budget execution constraints and welcomes the authorities' intention to rapidly update the National Development Plan to set-out and cost the medium-term policy priorities.


"Given that over the longer-term, growth and job creation must come from the non-oil private sector, an acceleration of reforms is needed now to establish an environment conducive to private investment and activity, including through laws to strengthen land, property and contract rights and to streamline business regulation. The mission welcomes recent initiatives to reinvigorate the financial sector, including the development of a credit registry and strengthened bank supervision by the BPA. The mission also supports the maintenance of the current monetary and exchange rate regime to preserve macroeconomic stability.

"The IMF mission wishes the government and the people of Timor-Leste every success and stands ready to assist in their efforts to build a strong economy in support of poverty reduction and rapid human development."


sábado, 3 de maio de 2008

Os países Asia com rendimentos baixos( Low - income countries).

“Os 14 grupos de países com rendimentos baixos são: Afeganistão, Bangladesh, Butão, Camboja, Ilhas Salomão, Kiribati, Laos, Maldivas, Mianmar, Nepal, Samoa, Timor Leste, Tuvalu e Vanatu”.
Entre os 14 países mais pobres da Ásia e do Pacífico, o Afeganistão, Bangladesh, Laos, Camboja, Papua Nova Guine, Vanuato são países que não registrou avanço em nenhum dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio nos últimos anos, segundo minha analise baseado na relatório da Comissão Económica e Social para a Ásia e para o Pacífico. Além de não apresentar desempenho suficiente para cumprir as metas em 2015, os 14 países mais baixo rendimento em Ásia pacifico registra tendência de piora no nível calórico da alimentação diária da população.

De 11 indicadores avaliados — como os relativos a pobreza, educação, saúde e infra-estrutura —, os 14 países mais pobre da Ásia e do pacifico, monitora apenas cinco, e em todos eles registra deterioração ou avanço insuficiente. Nos últimos anos, aumentou a proporção de pessoas com consumo de calorias abaixo do recomendado. As matrículas no ensino básico e a mortalidade infantil entre crianças menores de 5 anos e menores de um ano melhoraram, mas não no ritmo necessário para que o país alcance os Objectivos do Milénio. Todos os outros 13 países analisados apresentam evolução em pelo menos um dos 11 aspectos. É o caso do Timor Leste, que registra evolução em uma meta, ligada à melhoria no acesso à fonte de água tratada. Entre os países mais pobres das duas regiões, Bangladesh foi o destaque, com evolução em cinco dos indicadores seleccionados na minha analise.

De um modo geral, os 14 países menos desenvolvidos da Ásia e do Pacífico avançaram, principalmente em aspectos relacionados à infra-estrutura — como a melhoria no acesso à água tratada e rede de esgoto, além de redução da mortalidade infantil. Por outro lado, segundo o minha analise , esses países continuam a apresentar graves problemas na redução da pobreza e na melhoria na educação.

Os ODM são um conjunto de metas sócio económicas que os países da ONU se comprometeram a atingir até 2015, incluindo áreas como renda, educação, igualdade de género, saúde e meio ambiente. Entre suas metas, a principal delas é a de erradicação de pobreza, que determina que os países devem ter, em 2015, a metade da proporção de pobres em relação a 1990.

Fontes: Banco desenvolvimento Asia

O Timor Gap e a Económia de Timor - Leste


Autores: Rui A. Gomes e Miguel Galvão Teles *

Grande parte da riqueza mineral do Mar de Timor está localizada no chamado Timor Gap. Estimativas sobre o seu valor variam, mas as três principais reservas petrolíferas no Gap — Sunset, Bayu-Udan e Elang-Kakatua (ver mapa) — contêm um total previsto de 500 milhões de barris, no valor de 17 mil milhões de USD a preços actuais (The Economist, 02/10/2000). Só Bayu-Undan contém reservas recuperáveis estimadas em 400 milhões de barris de petróleo bruto e de LPG, e 3,4 triliões de pés cúbicos de gás natural (Dow Jones 27/06/2000). Estas projecções suportariam uma produção de petróleo de aproximadamente 110 mil barris por dia (ver site http://www.nt.gov.au/ord). Calcula-se a duração das reservas para 25 anos, iniciando-se a exploração em 2003, e gerando lucros na ordem dos 300 milhões de USD por ano, provenientes de direitos de exploração e impostos (Phillips Petroleum Company 12/03/1999).A divisão das receitas resultantes dos direitos de exploração na área A da Zona de Cooperação — onde está localizada a quase totalidade das reservas — são actualmente de 50% para cada lado. Apesar de diminutos em comparação com os padrões da Arábia Saudita, os lucros resultantes dos direitos de exploração e impostos serão de importância capital para uma pequena e nova nação de apenas 800.000 habitantes. A chefe da missão em Díli do Banco Mundial, Sarah Cliffe, afirma que estas receitas representariam seis vezes mais o actual orçamento de Timor Leste e o suficiente para impulsionar uma taxa de crescimento anual de 15% durante 9 anos (Bussiness Week, 30/10/200).

Mais-valias petrolíferas e problemas de desenvolvimento.

Partindo do princípio de que a Austrália irá conceder 90% das receitas para Timor Leste, isto traduzir-se-á em mais de 100 milhões de USD por ano, a preços correntes, um montante que ultrapassa em quatro vezes o actual PIB timorense. Defendemos aqui, no entanto, que a economia de Timor Leste — com todos os seus problemas — terá de basear-se na ausência das mais-valias geradas pelo petróleo. Auty (1994: 12), por exemplo, considera que “as economias de base mineral têm sofrido de uma baixa performance quando comparadas com países de tamanho e grau de desenvolvimento económico similar mas sem este ‘bónus mineral’”. A experiência de vários países que viveram um boom petrolífero confirmam que as mais-valias obtidas resultam no aumento da procura de bens e serviços não transaccionáveis e com a redução do sector transaccionável, no desinvestimento agrícola, no aumento da desigualdade de rendimentos e num reforço da pressão para a manutenção de empregos no sector público, em função do aumento das receitas minerais. Com o aumento dos preços dos bens não-transaccionáveis e do reforço dos lucros em divisas externas, é forçada uma valorização da moeda, o que por sua vez reduz os incentivos à produção de bens exportáveis. Efectivamente, os países recentemente industrializados (NIC) do Sudeste Asiático — Coreia, Taiwan, Singapura e Hong-Kong —, de escassos recursos naturais, têm sido mais bem sucedidos que os países ricos em petróleo, como a Venezuela, México e Nigéria, que faliram (Sachs e Werner, 1995). A Nigéria representa um caso dramático de políticas erradas, ou seja, a parte não-petrolífera do PNB desceu de 9,2% no ano anterior ao boom, para 5,3 durante o boom. Grande parte do desânimo perante o desempenho agrícola na Nigéria tem-se baseado no aumento acentuado da importação de cereais à medida que o consumo total aumentou (Scherr, 1989; Roemer, 1994).Timor Leste poderá querer, temporária ou permanentemente, emular a experiência de países menos favorecidos da Ásia Oriental, desenvolvendo bens não-minerais para suster elevadas taxas de crescimento. No entanto parece improvável dada a fraca economia, caracterizada por uma base industrial primitiva, a falta de infra-estruturas, capital humano e instituições, resultantes de décadas de subdesenvolvimento, tanto sob a administração portuguesa como sob a indonésia. Nestas circunstâncias, as receitas provenientes do Timor Gap poderiam ser usadas pelo futuro governo como despesas de desenvolvimento, de forma a criar as infra-estruturas necessárias, desde obras públicas e projectos de irrigação a subsídios para fertilizantes, educação e saúde para os cidadãos.Estas mais-valias poderão adiar reformas e os governos tendem a substituir as suas políticas por comportamentos de procura de rentabilização e por corrupção. Por exemplo, Leite e Weidman (1999) confirmam que a corrupção está associada à abundância de recursos e à travagem do crescimento económico. De acordo com os mesmos, a corrupção diminui a taxa real de rendibilidade dos projectos, reduzindo consequentemente os níveis de investimento. Um aumento de corrupção também afecta directamente a despesa pública, visto os gastos com a educação e segurança social tenderem a diminuir. Da mesma forma, Mauro (1995, 1997) argumenta que o alastrar da corrupção no sector público (uma vez que as receitas geradas a partir de activos naturais tendem a estar sujeitas a regulamentação estatal) não só desencorajam o investimento como também limitam o crescimento económico. O nível de corrupção tende a piorar quando as instituições são fracas, a instabilidade política se mantém e os funcionários públicos são gananciosos. Por sua vez as elites têm a possibilidade de se aproveitarem das suas posições políticas para expropriar uma parte desproporcionadamente grande da riqueza proveniente de recursos naturais, o que promove a polarização social e desigualdades remuneratórias. Não deve haver, da parte dos timorenses, qualquer ilusão quanto ao facto de que fenómenos similares aos que se deram noutros países ricos em petróleo não venha a acontecer em Timor Leste.

O Desafio que se Coloca à Económia Timorense


O futuro economia de Timor Leste dependerá, em última análise, da criação de um sector privado próspero que possa gerar produção, poupanças, investimento privado e comércio. As políticas públicas para os próximos anos devem, por isso, apoiar um clima em que o sector privado se possa expandir e florescer.
De entre as medidas mais importantes estão:
Estabelecer regras claras—O governo deve manter regras simples, transparentes e estáveis para as actividades do sector privado.
Investir em capital humano—Em particular na saúde e educação, para assegurar que os pobres podem tirar partido destas novas oportunidades.
Criar um sistema legal sólido—significará lidar com assuntos tão difíceis como as reclamações sobre a terra e os direitos de propriedade, criar um sistema judicial forte e manter a lei e a ordem.
• Promover a estabilidade macro-económica—Desenvolvendo políticas fiscais, monetárias, comerciais e de investimento que permitam que os recursos sejam afectados eficientemente.
• Infra-estrutura—Assegurar fornecimentos de água e de electricidade fiáveis, estradas adequadas e portos e aeroportos eficientes. Um dos perigos de promover um crescimento rápido baseado no mercado é o de aumentar as desigualdades—particularmente entre as zonas rurais e urbanas. Alguns destes enviesamentos surgem no quadro do funcionamento do mercado livre mas as políticas governamentais também correm o risco de acentuar estas tendências através do sistema fiscal ou oferecendo subsídios que na prática só são acessíveis aos agricultores mais prósperos. O objectivo deverá ser, portanto, promover o crescimento com equidade, criando oportunidades para o sector privado ao mesmo tempo que se protegem os interesses dos pobres. Isto sublinha a importância não só do estímulo à agricultura mas também de assegurar o tipo de desenvolvimento equilibrado que permita que os benefícios se disseminem pelo país.
O desenvolvimento da infra-estrutura rural será crítico neste aspecto— em especial estradas confiáveis e sistemas de comunicação que permitam que os mercados rurais funcionem eficientemente e que melhorem os preços que os produtores mais pobres recebem pela sua produção. Ao mesmo tempo, Timor Leste deverá desenvolver um sistema financeiro rural, incluindo esquemas de micro-crédito, em especial para as mulheres e outros grupos que poderão estar afastados do mercado de trabalho formal. Melhorar a infra-estrutura rural também deverá estimular outras actividades rurais não-agrícolas— incluindo a indústria pouco especializada, mão-de-obra intensiva, e outros serviços com ela relacionados. Neste caso o objectivo seria o de estimular os rendimentos das famílias rurais, particularmente durante os períodos sazonais de menos trabalho Agrícola.