Horizontal List

PM Rui Araujo
Investir no futuro de Timor-Leste
FUTURO
Timor-Leste acolheu a mais recente reunião trilateral da plataforma para o Desenvolvimento Económico Sub-Regional Integrado entre Timor-Leste, Indonésia e Austrália

Ai-han Timor Nian
Ramos-Horta
"Tantangan Timor Leste Makin Berat"
ECONOMIA
"..fo-hanoin ba ukun nain sira nebe tinan tinan truka hela deit ministrus, atu hare ba povu nia moris nebe "kuaze 50%" povu sei moris iha linha pobreza nia laran..."
Australia-Timor Leste
Notre Dame students experience the world and help those in need in Timor-Leste
Empresários - Timor Telecom
Empresários timorenses e fundo das Fiji na corrida pela Timor Telecom
Timor-Leste - BAII
Timor-Leste inicia processo de adesão ao Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas
Timor-Leste - Maluku
Maluku kaji kerja sama dengan Timor Leste

quarta-feira, 30 de julho de 2008

OGE Rectificado: Despesas Estimadas 2008-2011


OGE Rectificado: Despesas Estimadas 2008-2011

O quadro acima indica as estimativas das despesas públicas contidas na proposta de Orçamento Geral do Estado rectificado para 2008 ainda em discussão no Parlamento Nacional.Note-se:

a) a quebra de 31% entre 2008 e 2009, pouco consentânea com o princípio de uma estabilidade do crescimento. Refira-se, porém, que os números actuais são apenas uma porposta e como tal susceptíveis de fortes alterações no OGE de 2009;

b) os totais de gastos estimados no OGE aprovado inicialmente para 2008 (linha abaixo) e as diferenças entre as estimativas iniciais e as actuais;

c) a redução muito significativa das despesas correntes e o aumento das despesas de capital segundo o OGE rectificado, a confirmar ou não posteriormente.

Fonte: A.M. de Almeida Serra

terça-feira, 29 de julho de 2008

Timor-Leste Petroleum Fund: A Case for Caution

Note Prepared by the World Bank and IMF, May 2008
Some people are arguing that the Petroleum Law should be amended, to allow more money to be transferred to the Budget. This is motivated by a strong commitment to tackling the country's poverty and suffering as quickly and comprehensively as possible, and by frustration at the disappointing impact of development efforts so far. Some economists have sympathized with this impulse, arguing that the returns to investments made today will outweigh the benefits of spending the funds at some future date. The World Bank and IMF advise against amending the Petroleum Fund Law at this time---for three reasons:

(1) The Government is unable to spend the revenue currently available under the Petroleum Fund Law's sustainable income formula. Government spending has increased sharply in recent years, but remains well below what has been planned. In 2006/7, only 49% (US$181 million) of the Budget was spent (and only 16% of the capital portion). The expenditure rate increased slightly under the recent 2007 six-month Transition Budget, to 55%. The 2008 Budget is 6% larger than in 2006/7 (US$348 million), and the Government plans to add as much as US$190 million at the Mid-Year Review. Budget execution to date suggests that expenditures on a commitment basis are increasing, but cash outlays are once again likely to fall far short of appropriations and to remain well below the sustainable spending level (US$434 million for 2008).

The reasons for these chronic expenditure shortfalls are well-known: they stem principally from the country's inadequate budget planning/execution systems and poor implementation capacity (both in Government and the private sector). Since independence, Timor-Leste has enjoyed abundant international aid and rapidly-growing budgets. Successive governments have promised to deliver services to the population, but have been frustrated by weak capacity. In turn, these contributed to civil unrest (which has further compromised Budget execution). Per capita income in the non-oil economy is about 4 percent lower in real terms than it was in 2002, which suggests that poverty is increasing. Until planning and implementation capacity is strengthened it will be difficult to spend current sustainable income---Iet alone any additional appropriations.

(2) The Petroleum Fund Law already allows for transfers from the Fund to the Budget in excess of the estimated sustainable income (see attached Box for an explanation of the sustainable income concept). Transfers in excess of sustainable income are permitted as long as the Government provides Parliament with "a detailed explanation of why it is in the long-term interests of Timor-Leste to transfer from the Petroleum Fund an amount in excess of the Estimated Sustainable Income."1 Submitting the issue to public debate ensures transparency and adequate consideration, and is an important aspect of the good governance practices for which the Petroleum Fund is renowned2.

A change to the Petroleum Fund Law would present Timor-Leste with reputational and governance risks.

The Petroleum Fund is a credit to Timor-Leste, creating confidence at home and abroad that the Government is serious about good governance. The Fund's procedures-publication of quarterly and annual reports, mandatory external audits, a Consultative Council, an Investment Advisory Board-have been designed to ensure honesty, transparency, and due diligence in the use of the revenues. The design is based on lessons learned from other countries, where petroleum revenues have amounted to a distortionary curse rather than a blessing. It is tempting to accelerate spending on transfers like pensions or social supplements, which are potentially quick-disbursing, visible, and can be targeted to the poor. These instruments are no panacea, however. If expenditure outruns the capacity of the country's systems and skills, waste and misappropriation are an inevitable consequence.

(3) Too rapid an expansion in oil-derived expenditure could have perverse and damaging macroeconomic effects. The sustainable income formula (and the investment of revenues overseas) helps mute of the emergence of severe supply bottlenecks (in Timor-Leste's case, a tiny private sector, limited port facilities and a lack of skilled labor). Increased spending is likely to exacerbate these constraints, increasing the rate of inflation and raising the real exchange rate. This could well create a cost structure that would destroy the competitiveness of Timor-Leste's non-oil economy (the phenomenon known as 'Dutch disease'). The cost of goods and services is already considerably higher than in nex1-door Indonesia.

In conclusion, caution is advised before making changes to the Petroleum Fund Law. The availability of funds is not a major constraint for Government today---current spending remains far below budgeted amounts (about 55-60% of total funds), and well below sustainable income levels. Expenditure should and will increase as planning and implementation capacity increases. Once absorptive capacity has increased, raising the sustainable income limit may be justified. Rather than focus on this issue now, the Government and its development partners need to concentrate on enhancing capacity (including by contracting-out), and on ensuring that available revenues are well spent. This, not promises of additional spending, is what will improve Timorese livelihoods.

1 Article 9, Petroleum Fund Law.2 In a survey by the Peterson Institute that evaluated the structure and operation of 32 sovereign wealth funds, Timor-Leste's Petroleum Fund was ranked third best in terms of its governance arrangements and management performance.

SEARCH FoundationLevel 3, Suite 3B, 110 Kippax St,SURRY HILLS NSW 2010AustraliaPh: 02 9211 4164; Fax: 02 9211 1407 http://www.search.org.au/ ABN 63 050 096 976 promoting democracy, social justice and environmental sustainability This email is provided by the SEARCH Foundation as an information service. Any views expressed are those of the author(s) and not necessarily those of the Foundation. This email is intended for the recipient only. The information (including all attachments) contained in this message may contain confidential and/or privileged material. If you are not the intended recipient you must not reproduce or distribute any part of this email, disclose its contents to any other party, or take action in reliance on it. If you have received this email in error please contact the sender immediately and delete the message from any computer.

segunda-feira, 28 de julho de 2008

“Fundo de Estabilização Económica é transparente e assenta na legislação!”

COMUNICADO À IMPRENSA
Díli, 28 de Julho de 2008
Ministra das Finanças Emília Pires:
Respondendo às críticas efectuadas dos alguns deputados de partidos da oposição no Parlamento Nacional, que alegam que o Fundo de Estabilização Económica “foi criado à pressa, às escondidas e sem qualquer rigor”, a Ministra das Finanças reafirmou ontem que todo o processo que está na base da criação do Fundo “é absolutamente transparente e assente na legislação”.Estão a tentar manipular a opinião pública”, considera Emília Pires, recordando que o Fundo de Estabilização Económica assenta em quatro pacotes legislativos, começando por uma Resolução sobre a política que subjaz à decisão de criar um Fundo desta natureza.Em segundo lugar, um Decreto-Lei que cria o Fundo de Estabilização Económica e que remete para diferentes diplomas no que se refere à forma como o Fundo é gerido e fiscalizado - ou seja, as leis existentes mantêm-se em vigor, como é o caso do Regulamento da UNTAET 13/2001, que se aplica no que respeita à fiscalização. Há ainda um outro Decreto-Lei que está para ser promulgado pelo Presidente da República que cria uma comissão interministerial cujo mandato é o de decidir quem intervém no mercado, em que área e quando deve ser feito.

Isso depois de ouvir os ministérios relevantes e tomar em consideração a situação económica do País.Finalmente, existe ainda um outro Decreto-Lei que especifica os detalhes da implementação.“Houve tanto debate no Parlamento Nacional, durante mais de mês e meio, portanto, como é que se pode dizer que é um Fundo secreto? Pelo contrário, todo o processo é absolutamente transparente e assente na legislação, sendo que no que se prende com o aprovisionamento é aplicada a lei vigente, ou seja, não inventámos nada”, sustenta a Ministra das Finanças.

Alguns deputados dos partidos da oposição ao Parlamento Nacional alegaram que o Governo não satisfaz os critérios do Fundo Petrolífero ao retirar dinheiro que excede o chamado Rendimento Sustentável Estimado. Emília Pires recorda que no dia 23 de Junho o Governo enviou para o Parlamento Nacional o relatório da “Deloit”, que indica exatamente o contrário.E acrescenta que no dia 4 de Julho o Governo enviou outro relatório justificando porque é que o Governo vai retirar mais uma quantia que excede o que está determinado como rendimento sustentável, apontando interesses de longo prazo de Timor-Leste.“Portanto, não percebo porque vêm agora dizer isto. Talvez não leiam os documentos que nós enviamos...”, concluiu a Ministra das Finanças.O Fundo de Estabilização Económica, com um capital de 240 Milhões de USD, consiste numa importante ferramenta que o Governo criou para fazer face à recessão económica que se faz sentir a nível mundial, nomeadamente a crise alimentar e o aumento do custo dos alimentos em todo o mundo e, bem assim, combater os efeitos negativos que o aumento do preço dos combustíveis e dos materiais de construção civil possa reflectir a nível nacional.

A Cimeira Internacional sobre a Situação Alimentar Global, que reuniu 180 países recentemente em Roma, concluiu que no médio prazo os preços dos alimentos irão manter-se nos níveis actuais. Ou seja, o preço dos bens de consumo vai continuar elevado, o que tem provocado impactos negativos em vários países, na vida e na saúde da população.

Por outro lado, o aumento do preço dos materiais de construção é também motivo de grande preocupação, porque pode atrasar ou impedir os planos de desenvolvimento do Governo e desencorajar o investimento por parte do sector privado.

Para reduzir o impacto dos preços dos alimentos e dos materiais de construção na economia nacional e na população de Timor-Leste o Governo criou o Fundo de Estabilização Económica, que tem três objectivos principais: assegurar o abastecimento de bens e a segurança alimentar; estabilizar os preços, através de intervenção no mercado; e assegurar o abastecimento de materiais de construção civil. Assim, o Governo pode permitir o abastecimento de mercadorias e produtos essenciais a preços razoáveis e garantir a continuação do processo de desenvolvimento. O Governo está numa situação em que não precisa de esperar o apoio de urgência dos parceiros de desenvolvimento enquanto a população sofre! *

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Orçamento Rectificado do RDTL


O La'o Hamutuk apresenta no seu site vasta documentação [incluindo comentários próprios] sobre o Orçamento Rectificado. Veja aqui.

terça-feira, 22 de julho de 2008

Emerging East Asia's Growth to Moderate as Inflation Threat Looms, Says ADB

SINGAPORE - Economic growth in emerging East Asia will moderate to 7.6% in 2008 and 2009 from 9.0% in 2007 as the region weathers a global economic slowdown, sharp rise in food and energy prices and volatility reigns in financial markets, says a new report by the Asian Development Bank (ADB).
The region's slowing yet solid growth outlook remains vulnerable to a higher-than-expected spike in inflation, protracted slowdown in the US and any further tremors in global financial markets, says the July issue of Asia Economic Monitor (AEM).
It warns that core inflation, a measure of price increase that excludes food and energy costs, is rising across the region - signaling that a more broad-based second-round price effect may be underway.
Even as growth moderates, there are little signs of price pressures, fuelled by high energy and food costs, subsiding. Inflation is expected to rise to 6.3%, more than double the rate of the past ten-year average inflation. This has serious implications as the average household in the region spends over fifty percent of its monthly expenditure on food and fuel.
"Rising inflation is a serious threat to the region’s sustained, strong growth as high import costs of food and fuel threaten to trigger a price/wage spiral, unleashing more inflation," says Jong-Wha Lee, Head of ADB's Office of Regional Economic Integration (OREI).
Economic growth in the People's Republic of China (PRC), the region's economic powerhouse, will slow to 9.9% in 2008 and 9.7% in 2009 from a torrid 11.9% in 2007 on the back of a gradual appreciation of the yuan, tightening policies and weakening external demand.
Growth in members of the Association of South East Asian Nations (ASEAN) is expected to ease by one percentage point to 5.5% in 2008, according to the semiannual AEM, which covers the 10 members of ASEAN; the PRC; Hong Kong, China; Republic of Korea; and Taipei,China.
The region's policymakers are caught in the pincer grips of slowing growth and rising inflation.
The report warns that despite many economies facing prospects of slower growth, failure to act firmly to rein in rising prices may lead to repeating the mistakes industrialized nations made prior to the Great Inflation of the 1970s.
To douse inflationary flames, many monetary authorities have begun tightening in recent months. But the report says many of them remain behind the curve due to country-specific constraints and weak global economic outlook. The key to anchoring future inflationary expectations is to prevent second-round price effects from working their way through economies.
AEM says limited currency flexibility across much of emerging East Asia has also tied the hands of monetary authorities in their efforts to combat inflation. In some countries, the gradual pace of appreciation has fueled anticipation of further appreciation, spur speculative capital inflows, support the already strong liquidity growth and add further inflationary pressure.
"Allowing more exchange rate flexibility can help mitigate imported inflation and at the same time reduce the cost of sterilization," says Mr. Lee. "Greater currency flexibility will also give more wiggle room to monetary authorities."
Economies with healthy fiscal positions may consider carefully designed fiscal support to cushion the poor and vulnerable from the impact of rising food and fuel prices, the report recommends. But it adds that administrative controls to tame inflation through subsidies and price-fixing will lead to problems later.
It adds that more efficient and liquid financial markets will help channel capital flows into more productive use and result in better management of the region's massive foreign exchange reserves.
AEM analyzes emerging East Asia's economic growth, financial and corporate sector restructuring, and emerging policy issues. AEM is available on OREI's Asia Regional Information Center (ARIC) web site.
Fonte: ADB[Asian Development Bank]

Emerging East Asia to Post Strong Growth in 2006, Says ADB

HONG KONG, CHINA - The economies of emerging East Asia will grow 7.5% as a group in 2006, drawing strength from a sustained, broad-based economic expansion in major industrial countries that are key export markets for the region, and a rebound in the global information technology industry, according to a new ADB report.
“The region has adjusted well to a challenging first half characterized by high energy costs, persistent inflationary pressures, tighter monetary conditions, and financial volatility,” says Masahiro Kawai, head of ADB’s Office of Regional Economic Integration, which produces the Asia Economic Monitor (AEM), available at aric.adb.org
“There was a revival of external demand in the first half of the year and domestic demand is also now strengthening in several economies. Together these factors will help drive growth in the second half.”
2006 will be the third consecutive year of average GDP growth above 7% for emerging East Asia, which comprises the 10 ASEAN countries; People’s Republic of China (PRC); Hong Kong, China; Republic of Korea (Korea); and Taipei,China. Together, these economies posted 7.2% growth in 2005, and 7.9% in 2004. The AEM forecasts 6.9% growth for emerging East Asia in 2007 on an anticipated easing of growth in the US, Japan, and PRC.
The outlook for the PRC economy is a key element of the region’s prospects. AEM forecasts GDP in the PRC will grow a strong 10.1% this year and 9.0% in 2007. Importantly for the rest of emerging East Asia, PRC imports are expected to rebound from exceptionally low growth in 2005.
PRC demand, with the global rebound in IT and improving domestic demand, is expected to propel growth in the three newly industrialized economies (NIEs) - Korea; Hong Kong, China; and Taipei,China. GDP growth in the NIEs is forecast at 5.1% in 2006, up from 4.5% in 2005.
ASEAN economies can expect steady GDP growth of 5.5% in 2006, reflecting the stable external outlook, with slight variations up or down across economies, according to AEM. ASEAN growth is forecast to rise slightly to 5.7% in 2007 as Indonesia recovers from the effects of its August 2005 mini-financial crisis. (Country assessments start on page 38 of AEM.)
The broadly favorable outlook for the region is subject to two types of risks. Near-term cyclical risks would include a sharp fall in external demand, faster-than-expected correction of an overheating PRC economy, higher-than-expected energy prices, and a significant deterioration in global financial conditions.
Deeper structural, low probability but high impact risks would include a sudden and disruptive adjustment of the global payments imbalances and the outbreak of an avian flu pandemic.
Against the backdrop of robust growth and higher inflation, emerging East Asia’s policy options for managing near-term risks comprise a combination of further monetary tightening - through interest rate hikes or currency appreciation, or both - and, in some cases, additional efforts to narrow fiscal deficits and reduce public debt. For example, in the PRC, both interest rate hikes to cool domestic demand and currency appreciation to address external imbalances are appropriate. At the same time, increasing exposure of banks to real estate in some economies needs close monitoring and appropriate measures to reduce risks, AEM says.
To address deeper vulnerabilities, the region’s policy priorities should be to boost domestic demand - consumption in the PRC and investment in most other economies, increase exchange rate flexibility, improve the region’s energy efficiency, and prepare for the possibility of an avian flu pandemic.
“The strengths of emerging East Asia’s economies and the risks they face are relatively clear,” says Mr. Kawai. “With sound policy decisions the region should be able to maintain its strong growth and continue setting the trend for rapid development and poverty reduction.”
Fonte: ADB[Asian Development Bank]

Timor-Leste: Parceiros de desenvolvimento dão «luz verde» a estratégia para combater pobreza

Díli - O programa do Governo timorense para combater a pobreza no país, com a economia a crescer 7% até 2010, foi esta terça-feira avalizada em Díli pelos parceiros de desenvolvimento, no final de um encontro de dois dias.Segundo uma nota do gabinete do primeiro-ministro timorense, a estratégia de Díli para combater a pobreza no país foi «bem acolhida» pelos parceiros de desenvolvimento, Organiozação das Nações Unidas (ONU) e Banco Mundial, co-organizador da reunião que hoje terminou.Os parceiros avalizaram a estratégia de combate à pobreza «e calculam que, se o plano for totalmente executado, deverão ser criados para cima de dez mil postos de trabalho», lê-se no documento.De acordo com a mesma fonte, os representantes da comunidade internacional destacaram os avanços conseguidos no sentido da concretização do Plano de Desenvolvimento Nacional e dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio.«Para combatermos a pobreza em Timor-Leste temos de fazer crescer a nossa economia para lá dos 7%», afirmou o primeiro-ministro timorense no discurso de abertura dos trabalhos da 6/a edição do encontro de Timor-Leste com os parceiros de desenvolvimento.A estratégia do Executivo timorense assenta no reforço do investimento público, que no ano fiscal de 2006/07 ascenderá a um total de 82 milhões de dólares. «Trata-se de um aumento de 75,5%», destacou Fontes Governametais. A quase totalidade destas despesas será canalizada para projectos de infra-estruturas, nomeadamente reabilitação e construção de escolas e de centros de saúde, estradas, saneamento, electricidade e água.Parte das despesas deverá vir a ser executada por empresas estrangeiras, «que, no entanto, serão convidadas a empregar uma percentagem considerável de trabalhadores nacionais e a subcontratar com empresários locais», adiantou o Executivo timorense.
Fonte: Bissau Digital

Combater a Pobreza em Timor - Leste

Timor-Leste, o país mais pobre da Ásia, regista um crescimento explosivo da população de 3% ao ano e um acréscimo anual de 4% da população activa potencial. Qualquer estratégia de combate à pobreza tem de basear-se num crescimento económico muito forte. O paradoxo é tanto mais gritante nesse país quanto é sabido que o seu PIB não petrolífero não vai além dos 350 milhões de dólares, mas os proveitos do Fundo Petrolífero, provenientes do petróleo e do gás natural do mar de Timor, já permitiram amealhar, em menos de dois anos, 510 milhões de dólares. Isto é, há muito dinheiro na Autoridade Bancária Central, há regras prudenciais exemplares para garantir o seu uso criterioso, só falta uma boa estratégia. Ontem, em Díli, o Banco Mundial e os países envolvidos no processo de desenvolvimento de Timor-Leste, entre os quais Portugal, elogiaram o programa de combate à pobreza do Governo timorense, que estabelece metas até 2015 - data-limite para os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio da ONU. O curioso é que o caminho traçado, sendo muito pragmático, assume o Estado como motor principal nesta fase do desenvolvimento. Na ausência de um sector empresarial forte, o Estado investirá 82 milhões de dólares em infra-estruturas no próximo ano fiscal, que começa a 1 de Julho. É um aumento de 75% para a construção de estradas, escolas, centros de saúde, redes de electricidade, fornecimento de água e saneamento básico, concentrado nos meios rurais mais pobres. Serão empresas estrangeiras a realizar estas obras, desde que empreguem pelo menos 50% de mão-de-obra timorense e associem empresas locais. Mantém-se a aposta na melhoria da saúde pública e da educação. Uma refeição diária gratuita para todos os estudantes do ensino básico será um estímulo importante à produção local de alimentos. Enquanto as capacidades profissionais dos timorenses se vão aperfeiçoando, o investimento público é a alavanca insubstituível para alcançar um crescimento real de 7%, sem o qual Timor-Leste não conseguirá livrar-se da pobreza extrema.
Autor: António Perez Metelo Redactor principal

quinta-feira, 17 de julho de 2008

ONU diz que pobreza cresce em países menos desenvolvidos

informação embargada até às 14h, em Brasília) Genebra, 17 jul (EFE).- A pobreza aumentou nos países considerados "menos adiantados", nos quais três de cada quatro habitantes vivem com menos de US$ 2 por dia apesar de seu forte crescimento econômico nos últimos anos, revela um relatório publicado hoje pela ONU.
O estudo, elaborado pela Conferência da ONU sobre o Comércio e o Desenvolvimento (Unctad), indica que o crescimento médio nos 50 países analisados chegou a ser de 7% ou mais no biênio 2005-2006, um nível não alcançado em 30 anos.
No entanto, este progresso econômico não representa avanços em matéria social, pois o número de pobres que dispõem de menos de US$ 2 por dia para cobrirem suas necessidades básicas aumentou para 581 milhões ao invés de diminuir.
As informações dão mais ênfase à "pobreza absoluta", ou seja, àquelas pessoas que vivem com menos de US$ 1 por dia - o que representava 36% da população em 2006, frente a 44% em 1994.
Na apresentação do relatório, o secretário-geral da Unctad, Supachai Panichpakdi, disse que o desequilíbrio entre crescimento econômico e melhorias sociais reforça as inquietações a respeito da "vulnerabilidade destes países frente aos choques externos".
Nos casos de crescimento mais espetacular, estes foram apoiados pela exportação de matérias-primas, sobretudo de petróleo e minerais, assim como pelo aumento dos fluxos de capitais, pela ajuda internacional e pelo alívio da dívida externa para uma parte deles, explicou.
O crescimento destes países "não se baseou na melhora de sua capacidade produtiva nem na geração de emprego", lamentou Supachai, que lembrou que os países mais pobres foram os mais afetados pela crise de alimentos causada pelo aumento do preço de vários produtos básicos no mercado internacional. Esta situação acentua "a marginalização" dos países, que em muitos casos passaram de exportadores de alimentos a importadores líquidos em conseqüência do pouco investimento no setor agrícola. Assim, ao invés de reduzir gradualmente a dependência de sua economia das exportações de matérias-primas, os países menos desenvolvidos agora são mais dependentes delas do que no início desta década. Estas exportações representaram 77% do total no período entre 2004 e 2006, ao invés do 59% entre 2000 e 2002. Supachai afirmou que esta tendência é observada particularmente na África, pois "os países asiáticos menos adiantados se diversificaram para os produtos manufaturados", enquanto as pequenas ilhas "dependem das exportações de serviços, que são altamente voláteis". EFE

domingo, 6 de julho de 2008

G8 quer soluções para combater crise alimentar

Um vasto leque de medidas para garantir a alimentação mundial deverão ser anunciadas, de amanhã até quarta-feira, durante a cimeira dos países industrializados do G8, que se realizará em Toyako, no Japão.

Além dos líderes dos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Alemanha, França, Itália, Japão e Rússia, que compõe o G8, estarão ainda presentes na região montanhosa do lago japonês Toya Hollaido representantes da União Europeia e de 14 países convidados.

A liderar a agenda da reunião está a forma como os países industrializados vão lutar contra a crise alimentar, que pode vir a ter repercussões na segurança mundial.

A chanceler alemã, Angela Merkel, declarou ontem ao diário germânico Tagesspiegel Am. Sonntag que as medidas em discussão visam "aliviar a curto prazo a crise alimentar e obedecerão a uma estratégia de longo prazo para aumentar a produção agrícola mundial". Merkel criou, em finais de Abril, um grupo de trabalho interministerial, encarregado de analisar as causas e as consequências do aumento dos preços dos produtos alimentares e de propor soluções para a crise.

Na segunda-feira passada, a chanceler alemã enviou aos seus colegas do G8 um documento de seis páginas, contendo ideias para debate. Segundo o semanário alemão Der Spiegel, na sua edição da próxima segunda-feira, Angela Merkel adverte para os efeitos devastadores que uma crise alimentar mundial de longa duração poderia ter. "Tal crise poderá "pôr em perigo a democracia, desestabilizar estados e criar problemas para a segurança internacional", refere ainda a revista, citando o mesmo documento.

Esta comissão recomenda, diz o semanário, "um aumento da produtividade agrícola" nos países em desenvolvimento, o "abastecimento rápido de certas regiões em sementes, adubos e material agrícola", assim como o "levantamento imediato de restrições às exportações". Neste documento, a Alemanha anuncia que vai disponibilizar 750 milhões de dólares este ano para ajuda alimentar aos países mais pobres.

Por seu lado, também os países do G8, no seu conjunto, vão criar durante esta cimeira, um grupo de trabalho para lutar contra a crise alimentar mundial, como noticiou o diário japonês Yomiuri Shimbun. Segundo o jornal, esse grupo de trabalho examinará a possibilidade de suprimir certas restrições às exportações, que impedem os países mais necessitados de aceder aos excedentes alimentares dos países mais ricos.

À margem destes cimeiras, as manifestações são uma constante. Cinco milhares de manifestantes ligados a organizações não governamentais, sindicatos e grupos de activistas desfilaram ontem nas ruas de Sapporo, no Japão, protestando contra esta reunião, com críticas sobre as desigualdades económicas no mundo.
Fonte: AFP